Fraldas biodegradáveis, uma segunda pele que reduz os impactes ambientais

Postado por Digito 29/10/2018 0 Comentários Saúde,

    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quisemos que este artigo sobre fraldas biodegradáveis fosse muito abrangente e útil, abordando variados aspetos relacionados com as caraterísticas da pele do bebé, a história da invenção das fraldas descartáveis, a importância para o ambiente da capacidade de ser biodegradável, caraterísticas das fezes do bebé e muitos conselhos pelo meio, entre eles um guia prático, passo a passo de “como mudar uma fralda a um bebé”.

No dia em que o bebé nasce, a sua pele é violentamente empurrada para um ambiente completamente novo, com temperaturas mais baixas, vírus e bactérias e muitas outras coisas às quais não está habituado. Possui uma  extrema capacidade de desenvolvimento celular. A sua pele é frágil e imatura, pelo que deve ser protegida. Por esse motivo é importante utilizar produtos específicos no cuidado do bebé e produtos testados dermatologicamente.


 

 

 

1. QUAIS AS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DA PELE DE BEBÉ?

 

A pele de um bebé tem a mesma estrutura que a pele de um adulto, mas ainda não tem todas as suas funções.

Frágil e, ainda, não totalmente desenvolvida, a pele do bebé precisa de três anos para se fortalecer, de modo a poder desempenhar adequadamente seu papel de barreira protetora.  

 

A natureza delicada da pele pode ser atribuída a vários fatores:

  • Ao nascer, o pH da pele é aproximadamente neutro. O seu pH diminui gradualmente, tornando-se mais ácido na idade adulta. Essa diferença contribui para que a pele do bebé seja mais sensível a infecções e irritações.
  • O manto hidrolipídico é mais fino em bebés do que em adultos. Por isso, protege menos a epiderme contra a desidratação. A pele do bebé é, portanto, muito mais vulnerável a ataques do mundo exterior.
  • A camada córnea do bebé também é mais frágil. Os corneócitos não estão tão coesos, tornando a camada mais permeáveis ​​a fatores externos e infecções.
  • A derme do bebé é três vezes mais fina.
  • Por último, em relação ao seu peso, a área de superfície da pele de um bebé é entre 3 e 5 vezes maior do que a de um adulto. Isso significa que uma substância que consegue penetrar na pele acaba sendo consideravelmente mais concentrada no corpo - aumentando o risco de toxicidade.

À medida que o bebé cresce e se desenvolve, irá restaurar e manter o equilíbrio geral da pele. Por isso, é extremamente importante protegê-la - para cuidar das qualidades da pele do seu bebé, hoje e no futuro.



 

2.  QUAIS OS PRODUTOS ADEQUADOS?

 

De modo a compensar a natureza subdesenvolvida da barreira cutânea do bebé, é muito importante usar produtos específicos para bebé, nomeadamente fraldas, cremes, gel de banho, roupa em algodão, que tenham em conta a fragilidade da sua pele, preservando a sua riqueza celular sem a irritar.

 

Tenha especial cuidado ao escolher produtos dermo-cosméticos para o seu bebé: escolha apenas produtos hipoalergénicos e de alta tolerância que tenham sido especialmente testados para a pele dos bebés e que sejam projetados para ajudar a fortalecer/manter a sua barreira cutânea, protegendo a sua riqueza celular contra ataques do ambiente externo. As nossas fraldas BAMBO NATURE preenchem esses requisitos, como poderá ler mais à frente, neste artigo.



 

3. PORQUE  ESCOLHER FRALDAS BAMBO NATURE?

A Bambo Nature é a nova geração de fraldas ecológicas!   

As nossas fraldas descartáveis ​​estão entre as fraldas mais ecologicamente corretas do mercado. Eles são fabricados com cuidado para o meio ambiente, e 95% de todos os resíduos provenientes da produção da Bambo Nature são reciclados. Além disso, as fraldas são rotuladas com o rótulo ecológico nórdico, o rótulo FSC® e nosso rótulo dermatologicamente testado.

As fraldas descartáveis ​​da Bambo Nature são suaves para a pele e para a saúde da criança e têm uma parte de trás e uma folha superior muito macias como tecido, o que faz com que a fralda pareça uma peça roupa macia.

A fralda é projetada para encaixar perfeitamente na anatomia de uma criança, o que garante que não haja vazamentos e que a criança se sinta confortável, ao mesmo tempo em que permite maior liberdade de movimento.

 

Características das fraldas Bambo Nature

Na página da Bambo Nature Portugal é referido que a nova geração de fraldas Bambo Nature amigas do ambiente apresentam todas as características de um produto Premium. Aqui está o porquê:

 

100% respirável

Fina e 100% respirável, minimiza o risco de reações alérgicas.

Top dry

A camada super absorvente assegura uma rápida absorção bem como uma superfície sempre seca.

Suavidade

Como resultado da utilização de materiais de alta qualidade nas camadas interior e exterior, a fralda proporciona à pele do bebé uma sensação de suavidade extra.

Flexível

Os painéis laterais da fralda são feitos de um material extremamente flexível que garante um ajuste perfeito, sempre.

Proteção contra fugas

As barreiras laterias permitem um ajuste perfeito ao corpo, minimizando o risco de fugas.





 

A gama Bambo Nature foi desenhada e fabricada na Escandinávia pelo Grupo Abena, um dos fabricantes de fraldas mais antigos do mundo. A Abena, criada em 1953, possui sede e fábricas na Dinamarca, no norte da Europa e distribui os seus produtos para mais de 80 países. A fábrica da Abena na Dinamarca fabrica fraldas para bebés ecologicamente corretas de qualidade internacional. Pode consultar e confirmar as notícias referentes aos prémios, percurso e particularidades desta empesa em: https://www.abena.com/about-abena .





 

4. QUAIS  OS PROBLEMAS AMBIENTAIS PROVOCADOS PELAS FRALDAS DESCARTÁVEIS NÃO BIODEGRADÁVEIS?


Os produtos fabricados a partir de materiais não biodegradáveis têm trazido um grande problema para a sociedade nos dias de hoje. Por outro lado, a facilidade de utilização e manipulação dos produtos descartáveis leva a um aumento do seu consumo, contribuindo para a poluição do meio ambiente quando não há uma forma eficiente para o tratamento do lixo. Materiais como fraldas, pensos higiénicos e resguardos são exemplos de produtos que na sua constituição contém, em elevada quantidade, poliacrilato de sódio (polímero superabsorvente não biodegradável). O poliacrilato de sódio tornou-se muito conhecido a partir da década de 80, quando as fraldas descartáveis começaram a ser comercializadas.

 

Tentativas de minimizar os danos ambientais

Atualmente, estão a ser testados polímeros que possam substituir o poliacrilato de sódio nas suas principais características: super absorção e alta cinética de intumescimento.  Recentemente, na Austrália, concebeu-se um projeto de reciclagem programado para ocorrer em associação com a empresa de reciclagem de higiene, Relivit. A Relivit abrirá uma nova fábrica em Nowra, NSW, que processará 30.000 toneladas de resíduos de higiene absorvente para reciclagem, a cada ano. Na Inglaterra já conceberam fábricas para o tratamento de todos os componentes das fraldas descartáveis, que após serem lavadas e processadas são transformados em telhas e capacetes para ciclistas. Todavia estes são raros exemplos de projectos piloto, muito diminutos à escala mundial. Entretanto, desde o passado, no presente e no futuro continuar-se-á a produzir milhões de fraldas que se traduzem em problemas de vária ordem, nomeadamente:

 

  • Para fabricar 5500 fraldas descartáveis, abatem-se 5 árvores. Um bilhão de árvores são usadas, no mundo inteiro, por ano, para suprir a indústria de fraldas. Quanto corresponderá em termos de volume mil bilhões de fraldas?
  • Na produção de fraldas descartáveis é necessário um grande volume de celulose, papel, plástico e outras matérias-primas, grandes quantidades de água e energia. Isso contribui para o desperdício de energia,  poluição em grande escala, problemas associados à desflorestação e à industrialização não sustentável.
  • Em média, 2% do lixo recolhido corresponde a fraldas descartáveis. As fraldas descartáveis ​​saturam os aterros sanitários. As fraldas e outros materiais de higiene absorventes (como pensos higiénicos e resguardos de incontinência), perfazem toneladas e toneladas de resíduos a cada ano.
  • Há liberação de dioxinas no processo de branqueamento da polpa de madeira para fabricação do papel, (sendo que esta também é utilizado nas fraldas). As dioxinas são libertadas, também, quando o lixo de plástico (onde se incluem as fraldas) é queimado. As dioxinas são um composto orgânico altamente tóxico (C4H4O2).
  • Muitas fraldas descartáveis não são biodegradáveis. Os cientistas  estimam que as fraldas num aterro demoram cerca de 500 anos na sua decomposição.



 

5. QUANTAS FRALDAS UMA CRIANÇA EM MÉDIA GASTA?

Uma criança utiliza em média 5500 fraldas nos dois primeiros anos de vida.

 

Até os 3 meses

90 dias

7 fraldas/dia

630 fraldas

Dos 3 aos 6 meses

90 dias

6 fraldas/dia

540 fraldas

dos 6 aos 24 meses

900 dias

5 fraldas/dia

4500 fraldas

 

Total de fraldas até os 2 anos

5670 fraldas



6. QUAIS AS VANTAGENS DAS FRALDAS BIODEGRADÁVEIS/ ECOLÓGICAS?

Felizmente existem soluções ecologicamente corretas disponíveis para os consumidores. Essas soluções diminuem o impacte no meio ambiente.

 

1. Fraldas de pano reutilizáveis

Se a lavagem das fraldas for feita numa máquina de lavar eficiente, no programa de frio e, depois, secas na corda, as fraldas de pano reutilizáveis ​​têm um menor impacto ambiental. Fraldas reutilizáveis ​​podem ser feitas a partir de uma variedade de materiais, incluindo algodão orgânico, bambu, lã e cânhamo. Alguns fabricantes argumentam que fabricar fraldas a partir desses materiais é muito mais benéfico para o meio ambiente, uma vez que essas plantas não exigem produtos químicos e pesticidas agressivos para crescer.

Outros benefícios das fraldas de pano incluem:

  • Isentas de toxinas e produtos químicos (como as dioxinas), que podem ser nocivos tanto para o bebé como para o meio ambiente.
  • Menos dispendiosas do que as fraldas descartáveis ​​a longo prazo.

Apesar disso, esta opção apresenta resistência dos consumidores, pelo fato de não parecerem tão seguras e higiénicas e, apesar de tudo, necessitam de um gasto excessivo de água e energia para que sejam limpas e reutilizadas, caso não se use as características de lavagem acima referidas. Mesmo não sendo totalmente sustentáveis, os danos causados por elas são menores que as convencionais descartáveis (não biodegradáveis).  

 

2. Fraldas descartáveis ​​biodegradáveis ​​

As fraldas descartáveis ​​biodegradáveis ​​ou ecológicas são outra alternativa que pode ser melhor para o meio ambiente. De acordo com a Raising Children Network da Austrália, essas fraldas são feitas predominantemente de materiais como bambu e pasta de papel, o que contribuiu para que a maior parte da fralda seja compostável e biodegradável. Algumas fraldas ecologicamente corretas podem, mesmo, ser enterradas no jardim decompondo-se e fertilizando o solo. Muitos fabricantes de fraldas biodegradáveis ​​e ecologicamente corretas estão comprometidos com a redução do impacto ambiental no seu todo, o que significa que dão preferência a materiais / fornecedores sustentáveis, privilegiando métodos ambientalmente conscientes.

3. Alternativas das Fraldas Híbridas

Uma fralda híbrida é composta por uma camada externa reutilizável e lavável (ou capa para fraldas) com uma "inserção" de fralda descartável que absorve os resíduos e que é deitada no lixo.

 

Sabia que…

Tanto as fraldas descartáveis como as de pano podem provocar alergias - as primeiras pelos seus componentes sintéticos, as segundas devido ao facto de alguns detergentes ou amaciadores utilizados para as lavar poderem irritar a pele.


 

7. FRALDAS DESCARTÁVEIS: UM RESUMO  HISTÓRICO

A invenção e o desenvolvimento de um produto resulta, muitas das vezes, do somatório de várias ideias e descobertas, de várias necessidades que vão surgindo e vão sendo colmatadas. Aconteceu o mesmo no desenvolvimento das fraldas tal qual as conhecemos hoje.

 

Os primeiros relatos históricos remetem para as antigas civilizações do Egito, Império Asteca e Roma. Estes povos usavam um género de  fraldas improvisadas, com musgo, pele de coelho e erva.

Como surgiram  as primeiras fraldas e qual foi o seu percurso de desenvolvimento?

Logo após a Segunda Guerra Mundial, nos anos 40, devido à escassez de algodão, uma dona de casa e ama  americana, chamada Marion Donovan, inventou uma capa impermeável, feita de restos de cortinas de plástico das banheiras, para proteger a fralda da saída de líquidos. Denominou a primeira fralda de “Boater”.  No interior desta capa impermeável colocava-se uma fralda convencional de pano. Inicialmente esta invenção não teve muito sucesso nas vendas. Todavia, Marion Donovan não desistiu, abriu uma empresa e focou-se na divulgação do produto, tendo recebido 4 patentes pelo resultado de seus projetos.

 

Com o tempo, a invenção foi aprimorada pelas empresas do setor de higiene pessoal, até dar origem à fralda descartável que conhecemos hoje.

 

Foi em 1957 que Victor Mills, um visionário e lendário engenheiro químico da Procter & Gamble (P&G), aprimorou o design das fraldas descartáveis, tendo por base o intuito de melhorar o conforto do seu neto, e despertou o interesse da sociedade e do mercado. Denominou a fralda de “Pampers”. No interior da fralda retangular eram colocadas várias camadas de papel absorvente ( de 15 a 25 folhas). Eram envolvidas por uma película plástica e mantidas presas por alfinetes.

 

A fralda descartável nos anos 50 era um artigo de  luxo, não eram acessíveis à maioria da população dado o seu elevado custo.  Usadas apenas em ocasiões especiais, como viagens e visitas ao médico. Além disso, a sua distribuição estava limitada a poucos países.

Nos anos 60, as fraldas descartáveis tiveram um grande desenvolvimento. A indústria inspirou-se e baseou-se nas necessidades das mães. Em 1961, as fraldas foram massivamente  introduzidas no mercado. Todavia, o seu  êxito foi moderado, dado que existia um ponto negativo no método de fecho das fraldas: não havia fitas adesivas próprias.  As mães tinham que ter por perto um rolo de fita crepe (do género de fita de pintor) para fechar e prender a fralda. Estão a imaginar este procedimento nos dias de hoje!?

Ainda na década de 60, o recheio de papel absorvente foi substituído por fibras de celulose e, com isso, as fraldas apresentaram uma grande melhoria no desempenho. No entanto, as fraldas ainda eram muito grossas, pois tinham que evitar o vazamento. Em média pesavam, no mínimo, 65g cada. As fábricas conseguiam fazer apenas 100 fraldas por minuto.

Nos anos 70 registou-se um grande boom, além da P&G também entraram neste mercado a KC e J&J. A concorrência conduziu a uma considerável queda nos preços para os consumidores. No início desta década a J&J lançou no mercado as fraldas com fitas adesivas laterais já incorporadas.

Após este período a procura mundial excedeu a capacidade produtiva durante muitos anos.  O produto internacionalizou-se pela Europa, pelo  Japão e pela América Latina.

Durante a década de 70 apareceram as variações entre os modelos: as dobras, o tipo de adesivo, diferentes tamanhos, a capacidade de absorção, fraldas maiores de uso noturno, entre outros existentes hoje no mercado mundial. A velocidade das máquinas já atingia umas 250/min. No final de 70 apareceram os elásticos laterais e a taxa de vazamento caiu para 5%.

Os pediatras iniciaram uma campanha combatendo o uso das fraldas convencionais (pano), pois eram espessas e podiam deformar os ossos das pernas da criança.

Nos anos 80, com os elásticos, foi possível alterar a anatomia das fraldas, pois nas laterais e na cintura já dispunham desse recurso ajustável. Os ecologistas manifestaram-se contra as fraldas e, nesse seguimento, começou a falar-se de plásticos biodegradáveis. Isto foi muito evidenciado na Europa e no Canadá e com menos intensidade nos EUA e América Latina.

Com a descoberta do SAP (Gel) a taxa de vazamento caiu para aproximadamente os 2%. Consequentemente reduziu-se a espessura, reduziu-se o peso até 50% e aumentou-se muito o desempenho/absorção (diminuindo também de forma considerável os problemas das assaduras). Concomitantemente,  estas novas propriedades contribuiram para uma redução no consumo das embalagens. Cada grama de gel substituía 4 gramas de celulose.

Nos anos 90 apareceram novas características visando principalmente potenciar o conforto do bebé, tais como: telas SMS (maciez e resistência), clothlike, barreiras fecais, fitas laterais com fechamento mecânico “velcro”, aloe vera, indicadores de humidade, protetores contra germes, fitas frontais fluorescentes, entre outros. Nos EUA, no Japão e na Europa Ocidental a taxa de penetração ultrapassa os 95%. Na América Latina a mesma taxa aparece mais contida, variando entre 15 e 75%. No final dos anos 90 as máquinas já possuíam capacidade de produção de 300 fraldas/min, embora alguns dos grandes fabricantes já falassem em 800 peças/min.

A idéia da fralda descartável, que surgiu no início do século XX, hoje em dia, tornou-se uma solução fácil para os pais e um produto importante para várias empresas.

      

A fralda descartável é uma invenção relativamente recente da humanidade. Tão recente que as primeiras fraldas a serem comercializadas, há cerca de 40 anos, continuam no mesmo lugar onde foram colocadas da década de 70. Ficou surpreendido? Se tem idade para ter usado fraldas descartáveis, saiba que elas ainda existem.

As fraldas são concebidas principalmente por plástico (derivado do petróleo) e celulose (que implica o abate de árvores). No seu branqueamento é utilizado cloro, substância muito poluente. Portanto,  os processos de produção das fraldas são altamente poluentes e, por outro lado, a decomposição das fraldas é muito morosa, contribuindo para uma taxa de poluição extremamente elevada. Uma fralda descartável convencional leva cerca de 450 anos para se decompor.

 

 

 

 

 

 

8. MUDA DE FRALDA, PASSO A PASSO: GUIA PRÁTICO

 

 

 

Se nunca mudou uma fralda antes não se preocupe porque a maioria dos pais comete erros comuns como colocar uma fralda para trás ou descentrada, ou receber um jato de urina inesperado do bebé. Se não correr bem uma vez correrá melhor na próxima. Como em tudo na aprendizagem de se ser pai ou mãe!

Como em tudo na aprendizagem de se ser pai ou mãe!

 

Vamos descomplicar! Estas dicas passo a passo irão ajudá-lo a dominar a arte de trocar fraldas e corrigir rapidamente os erros da primeira vez.

  

O conselho mais importante de todos é NUNCA DEIXAR O BEBÉ SOZINHO. Nunca! Nem mesmo por uma questão de segundos. Uma queda num bebé poderá ter consequências muito graves.  Para não ter que deixar o bebé sozinho para ir buscar algo que falte, deve preparar tudo, ou ter sempre tudo à mão. Se tiver que ir buscar alguma coisa leve o bebé consigo.

1) Tenha tudo à mão

Precisará de:

- uma fralda limpa ou duas;

- algo para limpar o bebé: toalhitas ou compressas;

- uma superfície plana;

- um saco do lixo ou um pequeno balde, ao lado do fraldário;

- um resguardo por cima do muda fraldas ou da cama ou da superfície lisa onde faz a troca da fralda (opcional).

- Se o seu bebé tiver erupção de fralda, tenha à mão um creme para assaduras (por exemplo, o creme ATL Vitaminado) e água morna para limpar e acalmar .

 

2) Lave as mãos. Pode colocar desinfetante nas mãos (opcional). Tenha a atenção que a manipulação do bebé não deve ser muito asséptica, para que ele se vá contatanto com os variados alergénios. Há estudos que referem que em países nórdicos, como por exemplo na Filândia, as pessoas começaram a desenvolver muitas alergias, devido à desinfeção/assépcia excessiva conduzindo à falta de contato com os mais variados alergénios, na infância .

 

3) Mantenha sempre uma mão no bebé.

Se o bebé se mexer muito, distraia-o com um brinquedo ou com algo colorido, fale muito com ele, cante para ele ou brinque ao esconde-esconde. Os bebés adoram! Aproveite este momento para interagir com ele e para o estimular ou ensinar algo apropriado ao seu desenvolvimento. Tire partido da sua posição debruçada sobre o bebé. O bebé deleita-se a olhar para si e a ouvir a sua voz. É um dos momentos que pode estabelecer contato com o bebé pelo toque. Embora algumas trocas de fralda tenham que ser feitas rapidamente, porque tem apenas alguns minutos, tente aproveitar o ritual.

4) Retirar a fralda suja do bebé

  • Deitar o bebé em cima do fraldário, ou de uma toalha limpa/ resguardo sobre uma superfície plana, e retirar apenas a roupinha da cintura para baixo;

  • Abrir a fralda suja e levantar o rabinho do bebé, segurando pelos tornozelos;

  • Retirar o cocó do rabinho do bebé, utilizando uma parte da fralda suja, num movimento único de cima para baixo, dobrando a fralda ao meio debaixo do bebé com a parte limpa para cima, como mostra a seguinte foto.

5) Limpar a região íntima do bebé

  • Limpar a região íntima com as compressas molhadas em água morna/ ou com as toalhitas, fazendo um movimento único na direção do genital para o ânus, como mostra a imagem;
  • Na menina: recomenda-se limpar uma virilha de cada vez e depois limpar a vagina em direção ao ânus, sem limpar o interior da vagina.
  • No menino: deve-se começar por uma virilha de cada vez e depois limpar o pénis e os testículos, terminando no ânus. Nunca se deve de puxar o prepúcio para trás pois pode machucar e provocar fissuras. Nota: Se houver fimose, ela deverá ser aberta para expor a glande, que deve ser limpa cuidadosamente. A fimose é uma constrição ou endurecimento do prepúcio. É uma situação normal no recém-nascido ou criança pequena e costuma ser resolvida na puberdade sem qualquer tratamento.
  • Rejeitar cada compressa para o lixo após 1 utilização para evitar sujar locais que já estão limpos. Pode colocara fralda num saco plástico ou bolsa com zíper antes de colocá-lo no balde para reduzir o cheiro.
  • Secar a região íntima com uma toalha ou fralda de pano.

6) Colocar uma fralda limpa no bebé

  • Colocar uma fralda limpa e aberta debaixo do rabinho do bebé;
  • Colocar um creme para assadura, caso seja necessário;
  • Fechar a fralda fixando ambos os lados com as fitas adesivas. Caso ainda tenha o coto umbilical,  deixar a fralda por baixo do coto umbilical;    
  • Vestir a roupinha da cintura para baixo do bebé e lavar novamente as mãos.

7) Após trocar a fralda é recomendado confirmar se está bem justa ao corpo do bebé, colocando um dedo entre a pele e a fralda para garantir que não está demasiado apertada.



 

Em resumo

 

  1. Deite o bebé sobre uma superfície plana, macia e segura.​
  2. Remova a fralda levantando as abas adesivas e, em seguida, dobre as tiras adesivas sobre si mesmas de modo a que não se colem à pele do bebé.
  3. Utilizando toalitas ou uma compressa embebida em água, limpe a zona genital da frente para trás.
  4. Coloque uma fralda limpa debaixo do bebé e seque-o bem com um pano limpo.
  5. Aperte a fralda limpa, colando as tiras adesivas da parte traseira da fralda na parte frontal. Deve ficar ajustada, mas não apertada.
  6. Finalmente, coloque o bebé num lugar seguro para poder deitar no lixo a fralda suja e lavar as mãos.

 

O seguinte vídeo explica passo a passo a muda da fralda. Click aqui.

Catarina Vilela

Deixar um comentário