Mochilas Escolares: se as costas falassem!

Postado por CatarinaVilela 16/04/2018 0 Comentários Fisioterapia,Saúde,

Mochilas escolares pesadas podem causar danos na estrutura óssea em desenvolvimento das crianças. Quando as crianças se encontram em crescimento, os seus ossos não são sólidos e quando há pressão indevida sobre eles, especialmente quando as mochilas contribuem para um esforço e tensão para a retaguarda, isso pode causar efeitos prejudiciais.

  1. Problema de saúde pública 

Atualmente, os problemas ao nível da coluna vertebral dos adultos são, nos países industrializados, um problema de Saúde Pública, devido às elevadas repercussões a nível pessoal, social, profissional e económico. A dor de costas é frequente nos adolescentes, e envolve fatores de risco com possíveis consequências negativas no seu bem-estar e qualidade de vida, com possível impacto na sua saúde na idade adulta.

Face aos resultados obtidos em vários estudos, recomenda-se o desenvolvimento de diversas e variadas estratégias de informação e educação para a saúde, dirigidos aos adolescentes, pais e professores, como medidas de prevenção do problema de dor de costas e promoção de estilo de vida saudável em idades jovens.

Como profissional de saúde, oportunamente, pode consciencializar os pais para esta temática aproveitando para  aconselhar o que se deve ter em conta no momento da compra da mochila escolar e na disposição dos conteúdos a levar para a escola dentro da mochila.

A “saúde” da coluna do seu filho é influenciada pela escolha de uma mochila com características apropriadas e o seu uso adequado.

  1. Ao comprar uma mochila escolar deve atender-se aos seguintes aspetos: 
  • Tamanho proporcional ao tamanho da criança (não deve ser muito grande) e não seja maior do que o absolutamente necessário  (quanto mais espaço na mochila, provavelmente mais se carregará).
  • O comprimento/altura da mochila deve ser do comprimento do tronco (não deve ser maior), e a parte inferio deve ficar cinco centímetros abaixo da cintura. Deve evitar-se mochilas de profundidade excessiva.

  • Alças e costas serem almofadadas.
  • Alças largas (4 a 5 cm) e ajustáveis. Não devem estar muito juntas, para não magoar o pescoço, nem muito afastadas, para não deslizarem pelos ombros​​.
  • Mochila com duas alças (mochilas com uma alça de ombro que atravessa o corpo não podem distribuir o peso uniformemente).
  • Possuir um cinto ao nível abdominal (que aperta à frente  da barriga, para estabilizar o peso).

  • A mochila deve ter múltiplos compartimentos para ajudar a distribuir o peso.
  • Escolha mochilas feitas para crianças que são produzidas com  tecidos mais leves, que os usados em produtos para adultos.
  • Levar a criança para experimentar.

  1. No dia-a-dia, na preparação da mochila, deve ter-se em atenção o seguinte: 
  • A mochila deve pesar quando cheia  cerca de 10% do peso da criança.Por exemplo, se a criança pesar 20kg a mochila deve pesar até 2kg; se pesar 30kg a mochila deve pesar até 3 kg).
  • Se o peso da mochila ultrapassar os 10% do peso da criança deve optar-se por uma mochila com rodas, com pega regulável à altura da cinta criança todavia a criança não deve dobrar o braço ou a coluna ao puxar a mochila. Por outro lado, a criança deve ser sensibilizada a trocar constantemente o braço com que puxa a mochila.

  • A mochila deve estar ao nível dos ombros (nunca acima).

  • A mochila deve conter apenas o necessário. Incentive a criança a embalar de maneira mais inteligente e a eliminar itens desnecessários. Pese  regularmente a mochila antes do seu filho sair de casa.

  • Dispor os livros e outros materiais de uma maneira que não fiquem soltos dentro da mochila para não causar desequilíbrios.

  • Os  livros e os cadernos mais pesados ficam juntos à coluna (a criança não se deve inclinar para transportar a mochila).

  • A mochila deve sempre ser usada com as duas alças, para que não haja peso excessivo apenas num dos lados da coluna.

                            

  • Próximas do corpo: a mochila deve estar junto ao corpo. O espaço entre a mochila e as costas deve ser mínimo.

  1. O que acontece quando uma mochila pesada é usada?

A coluna é composta de 33 vértebras e entre elas os discos atuam como amortecedores naturais. Quando um peso pesado, como uma mochila cheia de livros pesados ​​ou os demais itens, é colocado incorretamente nos ombros, a força do peso pode puxar a criança para trás. Para compensar, a criança inclina-se para a frente nos quadris ou arqueia as costas, contribuindo para que a coluna comprima os discos de maneira não natural. 

As crianças muitas vezes adotam o hábito de carregar as mochilas escolares acima dos ombros, pois acham que fica melhor e mais fácil. Todavia deste modo, aumentam a probabilidade de desenvolver dores nas costas, além de criar uma tensão no pescoço e nos ombros. Os músculos esforçam-se mais para compensar o peso irregular. A coluna inclina-se para o lado oposto e este tipo de desequilíbrio muscular pode causar tensão muscular na zona média da coluna, nas costelas e na região lombar, espasmo muscular e dor a curto prazo.  Além disso, acelera o desenvolvimento de problemas na coluna mais tarde, na vida adulta, se a postura não for corrigida.

O uso inadequado da mochila contribui para uma má postura e ombros arqueados. As meninas e as crianças mais pequenas correm maiores riscos, pois como são menores carregam cargas mais pesadas em proporção ao seu peso corporal.

Carregar uma mochila pesada muda a maneira como as crianças andam e aumenta o risco de cair, particularmente em escadas ou outros locais onde a mochila desequilibra o estudante.

 

As mochilas com alças estreitas e apertadas podem interferir na circulação e nos nervos, desenvolvendo formigueiro, dormência e fraqueza nos braços e nas mãos.

 

Deve estar-se atento se as crianças se queixam de dor. Os sintomas podem incluir gemidos ao colocar ou retirar a mochila, marcas vermelhas nos ombros das alças ou queixas de que ombros, braços ou dedos estão “adormecidos”.

  1. Consequências negativas para o corpo do hábito de carregar mochilas pesadas

Bursite: Inflamação dos ombros. Os ombros não estão adaptados no ser humano para pendurar coisas. Peso excessivo nos ombros das crianças leva a sobrecarga nos ligamentos, tensão muscular e mudanças biomecânicas.

 

Lombalgia: Dor na região lombar (parte inferior das costas). As dores e a tensão muscular  nesta zona e no meio das costas, poderão ser provocadas por uma mudança na estrutura para compensar o peso da mochila

 

Inflamações: nas articulações dos joelhos.

 

 

Pescoço e parte superior das costas: Mochilas pesadas fazem com que o tronco  se incline para a frente (curvando a parte superior das costas), o que leva a uma postura com a cabeça inclinada para a frente e com o pescoço estendido o que provoca dor no pescoço e nas costas e dificulta as tarefa dos músculos e ligamentos de manter o corpo em pé.

 

 

Sobrecarga: nas articulações dos tornozelos e do quadril.

 

 

Anca: As ancas podem ficar doridas devido à inclinação para a frente devido ao peso da mochila.

 

 

Joelhos: Dores nos joelhos são devidas a mudanças  no patrão do caminhar e da postura.

 

Postura errada: Alterações na postura, como por exemplo pender mais para um dos lados ou para a frente.

 

  1. Algumas massagens apropriadas para as zonas afetadas (videos)

Em jeito de síntese conclusiva deixamos de seguida dois vídeos em inglês, com demonstrações de massagens para a região das costas, apropriadas para fazer a crianças ou adultos (video 1) (video 2).
Pode aplicá-las ou aconselhar a sua visualização a pais para melhorar a saúde da coluna dos seus filhos.

 

Se as costas das crianças falassem... que seja para dizer que estão felizes e saudáveis.

Catarina Vilela (enfermeira)

Deixar um comentário